Mais de 70% dos argentinos veem a criptomoeda, especialmente o Bitcoin, como a forma mais eficaz de se proteger contra a inflação e reservar valor financeiro, de acordo com uma pesquisa realizada pela Paxful.

A pesquisa apresentada recentemente abordou sobre o potencial das criptomoedas na Argentina com foco no sentimento e nos hábitos do investidor e descobriu que a grande maioria (73,4%) enxerga as criptomoedas, e principalmente o Bitcoin, como uma forma de proteger suas finanças.

Dentre os entrevistados, pouco menos de 70% relataram que haviam investido em criptomoeda pelo menos uma vez, com 42,7% citando o motivo mais comum como sendo para fornecer proteção econômica contra a inflação.

As descobertas mostram que, para a maioria dos entrevistados, a criptomoeda permitiu que esses cidadãos permanecessem protegidos da inflação crescente e quase 70% acreditam que o Bitcoin e as criptomoedas são um investimento extremamente seguro.

No que se refere especificamente ao Bitcoin, os participantes da pesquisa que investiram relataram que o fizeram por três motivos principais:

  • 53% investiram por conta do potencial global da moeda;
  • 50,6% por conta de seu protocolo descentralizado;
  • 49,1% por sua capacidade de funcionar como um porto seguro contra a política monetária do governo e sistemas bancários centralizados.

Entre os respondentes da pesquisa, os principais motivos para quem não investiu em criptomoedas (30,5%), foi devido ao baixo conhecimento sobre as criptomoedas e o Bitcoin (24,2%) - indicando que ainda há uma curva de aprendizado para os cidadãos argentinos.