O Federal Reserve Bank de St. Louis está acompanhando de perto o mercado DeFi, especialmente ativos que negociam em Ethereum.

Um relatório de 5 de fevereiro intitulado “Finanças descentralizadas: mercados financeiros baseados em blockchain e contratos inteligentes” vem com avisos sobre segurança de contrato inteligente, escalabilidade e outros fatores de risco, mas é otimista quanto à inovação.

DeFi se refere a serviços financeiros oferecidos sem um intermediário financeiro tradicional, como um banco ou credor. Os aplicativos DeFi, por exemplo, permitem que seus usuários peçam, emprestem ou negociem ativos digitais em uma base ponto a ponto. Ethereum é o blockchain sobre o qual a maioria dos aplicativos financeiros descentralizados são construídos.

O DeFi decolou em grande escala em 2020. No início do ano passado, havia menos de US $ 1 bilhão de valor bloqueado em protocolos e plataformas DeFi. A partir de hoje, existem mais de US $ 40 bilhões, de acordo com DeFi Pulse.

No geral, o banco central vê que há problemas a serem enfrentados, mas longe de serem barreiras intransponíveis. “Se esses problemas puderem ser resolvidos, o DeFi pode levar a uma mudança de paradigma no setor financeiro e, potencialmente, contribuir para uma infraestrutura financeira mais robusta, aberta e transparente”.