O Federal Reserve anunciou no início da tarde desta quinta-feira, uma injeção de mais de US$ 1,5 trilhão no sistema financeiro, para conter problemas de financiamento associados aos efeitos do coronavírus, através de suas operações de recompras de títulos (repo). O Fed ainda disse que as operações de recompra de US$ 500 bilhões em títulos de três meses e de um mês serão feitas semanalmente e que compras de ao menos US$ 45 bilhões em títulos de duas semanas passam a acontecer duas vezes por semana. Além disso, a distrital nova-iorquina do banco central americano seguirá oferecendo ao menos US$ 175 bilhões em títulos overnight diariamente.

Depois da decisão do Fed, a União Europeia também anunciou incentivos, prometendo um pacote emergencial de 37 bilhões de euros, utilizando "toda a flexibilidade prevista na estrutura fiscal", para financiar medidas urgentes de combate ao coronavírus e seus impactos econômicos.

Por fim, o Banco do Japão foi o último grande banco central a anunciar medidas nesta sexta-feira, com o intuito de fornecer ampla liquidez a empresas financeiras, diante do impacto econômico causado pela disseminação do novo coronavírus. A partir de segunda-feira, o banco central japonês vai oferecer fundos com vencimento depois do fim do ano fiscal, em março. O BoJ acrescentou que poderá usar outros métodos, como operações de liquidez em contraposição a garantias colaterais e compras de bônus do governo japonês (JGBs) com acordos de recompra.