Os reguladores chineses aumentaram as restrições que proíbem as instituições financeiras e empresas de pagamento de fornecer serviços a empresas de criptomoedas, marcando uma nova repressão ao dinheiro digital.

Em comparação com uma proibição anterior emitida em 2017, as novas regras expandiram muito o escopo dos serviços proibidos e julgaram que "moedas virtuais não são suportadas por nenhum valor real".

As três associações do setor financeiro orientaram seus membros, que incluem bancos e empresas de pagamento online, a não oferecer quaisquer serviços relacionados à empresas de criptomoedas, como abertura de conta, registro, negociação, compensação, liquidação e seguro, reiterando a proibição de 2017.

A "nova proibição" deixou claro que as instituições não devem aceitar moedas virtuais, nem usá-las como meio de pagamento e liquidação.

Os bancos e empresas de pagamento também foram instados a intensificar o monitoramento dos fluxos de dinheiro envolvidos na negociação de criptomoedas e a coordenar mais de perto a identificação de tais riscos.

As diretrizes foram feitas em uma declaração conjunta da National Internet Finance Association da China, da China Banking Association e da Payment and Clearing Association of China.