O banco de investimento Credit Suisse está testando um serviço de blockchain para liquidar negociações de ações em menos de duas horas.

Embora a negociação de ações pareça ser instantânea nos sites de corretagem, na realidade, podem levar até três dias para que as câmaras de compensação paguem as corretoras pelas negociações que submetem.

Para garantir que o sistema seja devidamente garantido, as corretoras e bancos dos EUA mantêm uma reserva de bilhões de dólares. Contudo, em tempos de grande volume de negociação, como no recente episódio da Robinhood, em que a corretora teve que fornecer garantia extra para compensar a exposição a ações da Gamestop em alta, sendo obrigada a interromper temporariamente seus clientes de comprarem ações da Gamestop, uma outra solução se faz necessária.

Essas crises explicam a necessidade urgente de liquidações em tempo real, mas os sistemas antigos e a complexidade de reconciliar milhões de transações são problemas difíceis de se resolver, o que levou as empresas do setor a voltarem-se para o blockchain.

Em um período de testes, o Credit Suisse levou apenas uma hora e meia para fechar uma transação no Paxos Settlement Service. Um avanço enorme, já que no sistema de liquidação antigo o banco só completava as negociações no mesmo dia se elas fossem concluídas antes das 11h.

Segundo a Paxos, este é o primeiro sistema de compensação baseado em blockchain para ações dos EUA. O serviço ainda não é regulamentado, mas a empresa pretende solicitar uma licença com a Comissão de Valores Mobiliários em breve.