Os impactos globais da pandemia do COVID-19 atingiram em cheio a economia egípcia, que foi arrastada para uma recessão, elevando drasticamente o desemprego no país. Durante esse cenário caótico, muitos egípcios passaram a ver os benefícios de negociar e mineração Bitcoins como uma fonte alternativa de renda.

De acordo com Al-Monitor, muitos egípcios, principalmente jovens, estão interessados ​​em criptomoedas. Wael al-Nahhas, economista e consultor financeiro de várias instituições de investimento no Egito, disse:

“Muitos jovens egípcios começaram a investir em pequenas quantias, apesar do aumento no valor do bitcoin. Eles começaram a minerar Satoshi, que é o 100 milionésimo de um bitcoin, e diariamente estão obtendo lucros de 4% a 5% com a diferença entre as taxas de compra durante o período de declínio da demanda e as taxas de venda no momento do pico de demanda, além de alguns lucros trimestrais ou anuais de aumentos inesperados nos preços de bitcoin.”

Segundo números recentes da Agência Central Egípcia para Mobilização Pública e Estatísticas, o desemprego no Egito saltou de 7,7% durante o primeiro trimestre de 2020 para 9,6% durante o segundo trimestre.

Impulsionados pelo cenário

Um mineradorador de Bitcoin e membro da Comunidade Bitcoin do Egito, apontou que outros fatores também tornam a criptomoeda extremamente atrativa, segundo ele a possibilidade para trabalhar sem sair de casa, reduzindo a jornada de trabalho, e novos toques de recolher incentivaram muitos egípcios a investir em Bitcoin em seu tempo livre. Ele estima que mais de 16.000 egípcios aderiram à Comunidade Bitcoin do Egito. No entanto, ele observou que esse número pode ser maior, pois as pessoas podem ensinar seus amigos e familiares como investir em criptomoedas.

Outro minerador de bitcoin, afirma que escolheu este negócio depois de perder seu emprego em uma empresa contratante que reduziu o tamanho, após o surto do coronavírus. Ele decidiu investir o que economizou nos últimos anos.

O Egito no mundo cripto

De acordo com o relatório Geografia da Criptomoeda de 2020, compilado pela empresa de análise de blockchain Chainalysis, o Egito ocupa a 64ª posição entre 154 países no índice global de adoção de criptomoeda da empresa. A empresa classifica a Ucrânia em primeiro lugar, seguida pela Rússia, Venezuela e China. O relatório mostra ainda que a maior parte da negociação de bitcoins no Egito ocorre nas bolsas Okex, Coinbase, Binance, Huobi, Bitfinex, FTX e Bitmex. Apenas pequenas quantidades de BTC são negociadas em plataformas peer-to-peer (P2P) no Egito. A Localbitcoins, por exemplo, viu 10 BTC negociados na semana encerrada em 26 de setembro, mas o volume de negociação na plataforma também tem crescido de forma constante.