A dívida nacional dos EUA atingiu US $ 26 trilhões, o maior volume da história.

De acordo com o USDebtClock, um site que calcula a dívida nacional. O número encontra-se em US $ 209.415 por contribuinte, ou US $ 78.863 por cidadão.

O crescimento da dívida vem acontecendo de forma assustadoramente rápida. No mês passado o valor era de US $ 25 trilhões, e no anterior era de US $ 24 trilhões, ou seja, está aumentando cerca de US $ 1 trilhão por mês.

Observando o médio e longo prazo, vemos o crescimento de maneira ainda mais preocupante, pois embora o momento seja atípico, a dívida já estava disparando antes do lockdown global. Há apenas um ano, o valor era de US $ 22 trilhões, tendo aumentado US $ 4 trilhões no ano passado e US $ 8 trilhões nos últimos cinco anos.

A disparada da dívida nacional se deve à pandemia de coronavírus, que causou uma enorme recessão econômica e desemprego em massa. A economia dos EUA encolheu 4,8% apenas no primeiro trimestre deste ano, o valor máximo que caiu em um único trimestre desde o colapso financeiro de 2008.

Quando há tanto desemprego, o governo precisa aumentar os gastos para para o seguro-desemprego, elevando drasticamente a dívida. Outro fator determinante foi um pacote de estímulos aprovado em março pelo Congresso no valor de US $ 2,2 trilhões.

Bitcoin como ativo anti-frágil

Ao mesmo tempo em que a dívida disparou e a economia encolheu, as ações estão em níveis recordes. Mas alguns especialistas alertam que é uma bolha que pode estourar.

Certamente o dólar não possui uma boa perspectiva futura como reserva de valor. Estando enraizado no sistema financeiro norte-americano, a moeda tende a oscilar de acordo com a saúde financeira deste sistema, cuja dívida é impagável.

Já o Bitcoin, a criptomoeda mais popular do mundo, justamente por não ter ligação direta com nenhum banco central, nem com nenhuma estrutura centralizada e, portanto, nenhuma dívida nacional, está menos dependente da saúde financeira de um único país. O preço do Bitcoin encontra-se volátil com tanta incerteza nos mercados. Em um primeiro momento sofre uma forte queda junto com os mercados globais em meados de março, mas já se recuperou totalmente, ultrapassando a barreira dos US $ 10.000 diversas vezes.