Não é surpresa alguma que instituições globais, que não existiam nem eram necessárias durante o período do padrão-ouro, adotem frequentemente um tom preocupado contra o Bitcoin.

Nesta quinta-feira foi a vez do Fundo Monetário Internacional alertar sobre uma série de preocupações econômicas e jurídicas em relação à mudança de El Salvador para tornar o Bitcoin uma moeda com curso legal paralelo.

Pouco tempo depois do anúncio do presidente, um porta-voz do FMI disse que o Fundo se reunirá quanto antes com o presidente de El Salvador para discutir a lei do Bitcoin.

Atualmente, El Salvador está em negociações com o FMI em busca de um programa de quase US $ 1 bilhão.

“A adoção do Bitcoin como moeda legal levanta uma série de questões macroeconômicas, financeiras e jurídicas que requerem uma análise muito cuidadosa”.

El Salvador se tornou o primeiro país do mundo a adotar o Bitcoin como moeda legal, com o presidente Nayib Bukele divulgando seu uso por seu potencial para ajudar salvadorenhos que vivem no exterior a enviar remessas para o país.

A decisão já vem influenciando países vizinhos a seguirem o mesmo caminho, com políticos do Paraguay e do Panamá defendendo a ideia de adotar a criptomoeda para reduzir os impactos da inflação que estão para atingir o dólar nos próximos anos.