Embora as Ilhas Marshall formem uma nação independente, até agora elas usavam o dólar americano como moeda oficial para todos os pagamentos, dívidas, encargos públicos, impostos e taxas.

Isso está prestes a mudar. O país agora planeja emitir sua própria criptomoeda. Segundo o ministro Paul, uma solução descentralizada usando a tecnologia blockchain seria mais adequada e viável para o país, que tem pouco mais de 50.000 habitantes espalhados por mil ilhas do Pacífico.

O objetivo vai além da independência, segundo o ministro, permite que o Estado automatize grande parte de suas obrigações, diminuindo custos administrativos e ajudando o país a combater a lavagem de dinheiro e o financiamento do terrorismo.

Por último, mas não menos importante, o ministro acrescentou que a nova moeda teria um foco razoável na privacidade, "especificamente, a capacidade de escolher quando divulgar suas informações, o que exatamente compartilhar e com quem".