Depois de meses lidando com o coronavírus, muitas fábricas chinesas ainda estão operando abaixo da capacidade total, mas vêm aumentando gradualmente a produção nas últimas semanas, conforme dados do governo sugerem que a curva pandêmica do país se achatou.

No entanto, de acordo com a Bloomberg, há um sério problema em desenvolvimento. A crise do vírus, que está afetando todo o hemisfério ocidental, levou empresas da Europa e dos EUA a cancelar em massa suas encomendas chinesas, provocando outro choque econômico que está afetando a base industrial da China.

Um gerente da Shandong Pangu Industrial Co. disse à Bloomberg que 60% de seus pedidos vão para a Europa. Nas últimas semanas, segundo a gerente Grace Gao alertou, os clientes europeus estão solicitando que as ordens sejam adiadas ou canceladas por causa da crise do vírus que se espalha pelo continente. Gao estima que as vendas de abril a maio possam cair 40% em relação ao ano anterior.

Portanto, a pandemia em todo o mundo afetará a manufatura da China através de dois canais: interrupções nas cadeias de suprimentos e queda na demanda externa. Com os pedidos cancelados, as cadeias de suprimentos interrompidas e os pagamentos atrasados ​​- o caminho para a recuperação na China será, na melhor das hipóteses, acidentado. Analistas excessivamente otimistas que estão prevendo uma recuperação em forma de V na China para primeira metade do ano, provavelmente estarão errados.