Metaverso: tudo que você precisa saber sobre essa nova realidade

CapExplain Feb 28, 2022

A palavra do momento nos mundos da tecnologia e cripto é metaverso. Se você fizer uma pesquisa sobre criptomoedas no Google, é bem provável que você se depare com esse termo e, naturalmente, essas e outras dúvidas podem surgir.

Mas de onde surgiu esse conceito? O que ele significa? E, o mais importante: o que tem a ver com a negociação de criptomoedas?

Em linhas gerais, o metaverso permite que os usuários interajam entre si em diferentes plataformas online de forma democrática, ou seja, o objetivo é que os espaços tenham acesso público (pelo menos em um certo nível).

Para se ter uma noção do impacto que o metaverso já está causando nas grandes empresas de tecnologia da informação, o grupo que desenvolve o Facebook trocou seu nome para “Meta”.

Dessa forma, a Meta – Facebook, Instagram e Whatsapp – define o metaverso como “um conjunto de espaços virtuais para convívio social entre pessoas que não estão no mesmo espaço físico”.

Outras grandes da tecnologia da comunicação já têm um planejamento sólido para investimento em estrutura para o metaverso.

A Meta já anunciou para 2022 a soma de 10 bilhões de dólares em investimentos no Facebook Reality Labs, divisão de Metaverso para o desenvolvimento de hardware, software e conteúdo de realidade virtual. Também segue esse fluxo a Apple e o Snapchat.

Uma pesquisa divulgada pela Revista Exame aponta que, pelo menos, 90% dos brasileiros já transitaram em ambientes virtuais em algum nível. Esse comportamento também indica a busca e disponibilidade de conhecer as novidades tecnológicas, o que os coloca diretamente ligados ao metaverso.

No segundo semestre de 2021 a procura por tokens para o metaverso registrou um significativo aumento e valorização expressiva. Parte dessa movimentação veio de jogos em que o gamer ganha para jogar ou play-to-earn.

Mesmo com esse salto nos números, o impulso não veio somente do setor do entretenimento: artes, medicina, setor imobiliário e outros tipos de aplicações fizeram parte do incremento de visibilidade das operações dentro do metaverso.

O tema metaverso é bastante vasto, mas, com esse artigo, queremos tirar suas dúvidas principais, sobretudo no quesito investimento nesse mercado que está se mostrando bastante promissor.

Com a popularização do metaverso, o grupo que desenvolve o Facebook e outras plataformas de mídias sociais trocou seu nome para “Meta”. 

Veja nesse artigo:

  1. Como o metaverso funciona?
  2. Primeiras tentativas de estabelecer o Metaverso
  3. Onde entram as criptos nesse contexto?
  4. A economia cripto do Metaverso
  5. Quais tecnologias estão envolvidas na estrutura do Metaverso?
    5.1. Realidade Virtual
    5.2. Realidade Aumentada
  6. Quais são as aplicações do Metaverso?
  7. O que são NFTs?
  8. Como investir no Metaverso?
  9. Quais são as criptomoedas impulsionadas pelo Metaverso?
    9.1. Decentraland (MANA)
    9.2. Enjin Coin (ENJ)
    9.3. The SandBox (SAND)
    9.4. Gala (GALA)
    9.5. Axie Infinity (AXS)
  10. Empresas que apostam no Metaverso
  11. Futuro da Internet
  12. Críticas ao Metaverso

Como o Metaverso funciona?

O termo “metaverso” apareceu pela primeira vez em um livro de ficção científica no ano 1992, o Snow Crash (Nevasca), de Neal Stephenson, que fazia referência a um mundo virtual formato em 3D e habitado por avatares de pessoas reais.

A obra retrata a história de “Hiro Protagonist”, um entregador de pizza, que vive uma vida paralela em um mundo virtual (já chamado naquela época de metaverso) como um samurai.

Quase 20 anos depois, em 2011, Ernest Cline trouxe novamente o tema no romance futurista Ready Player One, ou Jogador Número 1. A trama foi bem aceita pelo grande público e ganhou uma versão cinematográfica pelas mãos de ninguém menos que Steven Spielberg em 2018.

Em Jogador Número 1, os personagens vivem em um mundo distópico que se refugiam em um local chamado OASIS, um simulador virtual que permite serem o que quiserem.

Nesse sentido, o metaverso tem como objetivo principal fazer a fusão entre os mundos real e virtual através de tecnologias como realidade virtual ou aumentada e até mesmo hologramas. São geralmente retratados em obras de ficção como um ambiente muito diferente do real, colocando essa realidade distante das pessoas.

O metaverso não é só um simulacro da realidade, mas é quase um complemento dela. Obviamente que permite a criação de espaços e situações diversas às reais, mas, em alguns cenários, promove uma extensão, potencializando ações e aspectos da vida dos usuários.

Em um jogo, por exemplo, o gamer pode vivenciar experiências cada vez mais reais, aumentando sua motivação em permanecer naquele cenário, promovendo engajamento e gerando lucros para as empresas desenvolvedoras.

Já em áreas como a educação, o metaverso expande os limites geográficos, oferecendo simulações de ambientes ou laboratórios, dando aos alunos percepções ainda mais realísticas do conteúdo estudado.

No caso dos e-commerces, a ideia é melhorar a experiência de compra, possibilitando experimentar os produtos de forma virtual e totalmente remota, expandindo os limites territoriais e aumentando o alcance das marcas.

Imagine ainda essa hipótese: a possibilidade de recriar um ambiente como a pré-história, por exemplo, para pesquisar, projetar e entender comportamentos e características daquele período que podem impactar a vida moderna.  

O metaverso ainda é um território inexplorado, porém com potencialidades infinitas. A ciência e a tecnologia são, provavelmente, as áreas que mais têm a ganhar com a expansão do metaverso.

Ou seja, o objetivo é que as pessoas não sejam apenas observadores dentro do ambiente virtual, mas que façam parte dele.

O conceito do metaverso divide opiniões: uns o vêem como uma evolução da internet, outros como um risco à privacidade. A implantação dessa utopia, no entanto, ainda depende do amadurecimento de algumas tecnologias, como o próprio 5G.

Primeiras tentativas de estabelecer o Metaverso

Ao longo dos últimos 20 anos algumas iniciativas já tentaram criar algo semelhante a um metaverso. Um dos principais exemplos é o Second Life, game lançado em 2003 pela empresa americana Liden Lab.

A plataforma leva o usuário a um ambiente virtual 3D que simula a vida real. Ao entrar, é permitido criar avatares e socializar uns com os outros.

Na época do lançamento, essa evolução dos jogos atraiu milhares de gamers, mas não conseguiu unir completamente os mundos real e virtual. Isso porque o projeto não foi capaz de criar uma economia digital, na qual as pessoas pudessem ganhar dinheiro ou mesmo ter uma propriedade virtual.

Essa é a grande diferença para a realidade atual, já que vivemos em um mundo com economia quase que totalmente digitalizada.

Plataformas como o Roblox, Fortnite e Minecraft têm suas pedras fundamentais no metaverso, explorando e difundindo certos elementos desse novo universo.

Nesses jogos, os usuários criam seus próprios personagens, participam de missões, se relacionam uns com os outros, vão a eventos e, principalmente, investem em elementos para potencializar seu jogo, fazendo dinheiro real circular no ambiente virtual.

Recentemente, a cantora norte-americana Ariana Grande fez um show dentro do Fortnite, por exemplo.

Esses foram alguns exemplos que provavelmente estejam próximos da sua realidade através de alguma criança na sua família, mas lembramos que são ilustrativos para que entenda os mecanismos e os conceitos mais aprofundados que queremos te apresentar sobre o metaverso a partir desse momento.

A proposta do metaverso vai além dos jogos online. A ideia fundamental é que todos os aspectos da “vida real” da pessoa – lazer, trabalho, relacionamentos, estudo e outros – sejam uma experiência de imersão através do digital e vice-versa.

Onde entram as criptos nesse contexto?

A blockchain (banco de dados público e descentralizado), as criptomoedas e os NFTs (sigla em inglês para tokens não fungíveis) dão suporte para o metaverso. Por meio delas, é possível movimentar valores e realizar o registro de propriedades virtuais.

A ideia original é que o metaverso tenha uma economia virtual própria e que as pessoas possam trabalhar, adquirir coisas, fazer reuniões diversas e ter, de fato, uma vida online.

A blockchain e as ferramentas que a permeiam – criptos, NFTs e outros – são essenciais para a construção dessa nova realidade.

A blockchain, por exemplo, deve estruturar a base da economia dentro do metaverso, permitindo a criação de registros imutáveis sem a necessidade de uma terceira parte, ou seja, uma ferramenta bastante útil dentro da governança no metaverso.

Nesse contexto, entram as criptomoedas, usadas como os meios de troca nas plataformas. Já existem projetos em andamento que usam cripto, como os games Decentraland (MANA), The Sandbox (SAND) e Axie Infinity (AXS).

Os NFTs contribuem para o registro e negociação de propriedades e itens virtuais. Os tokens não fungíveis são certificados digitais cuja autenticidade pode ser feita por qualquer um, mas que ninguém pode alterar.

A economia cripto do Metaverso

Uma economia específica para o metaverso já é uma realidade construída em tecnologia blockchain, com produtos e serviços disponíveis.

  • Música – o metaverso se tornou um facilitador eficiente de promoção musical, especialmente em tempos de isolamento social, muitos cantores e djs entenderam a potencialidade desse ambiente para o contato com seus fãs. Muitos estão investindo na realização de eventos em espaços digitais e lucrando com isso.
  • Cassino – esses espaços já podem ser encontrados no metaverso, onde os usuários fazem apostas em criptomoedas.
  • Economia - A Onyx foi a primeira plataforma baseada em blockchain do mundo para a troca de valor, informações e ativos digitais. A instituição possui seu espaço na Decentraland, com conteúdos em vídeo e pdf para os usuários.
  • Arte – os artistas descobriram que o metaverso é um excelente espaço para comercializarem suas obras de arte registradas em NFTs. Casas físicas de renome, como Sotheby’s, já estão aproveitando esse nicho.
Esse é o espaço da Sotherby's no Decentraland - no espaço o usuário tem acesso a leilões e exposições de obras através de NFTs

Quais tecnologias estão envolvidas na estrutura do Metaverso?

Para que o metaverso seja vivo, é necessário o uso de uma série de tecnologias. Veja quais são:

Realidade Virtual

Conhecida por sua sigla em inglês, a “VR” - Virtual Reality - um espaço em 3D criado por softwares, para onde o usuário é transportado e passa a fazer parte de um determinado cenário, podendo interagir de acordo.

Para fazer parte dessa simulação da realidade, os usuários precisam de equipamentos como computadores, óculos de realidade virtual, fones de ouvido e outros acessórios.

Realidade Aumentada

Diferente da VR, que coloca o usuário no mundo virtual, a AR (sigla em inglês para Realidade Aumentada) atua de forma oposta: transporta os dados virtuais para o mundo real, como o game Pokémon Go.

Quais são as aplicações do Metaverso?

Como já mencionado anteriormente, o metaverso pode ser aplicado nas mais diferentes áreas, depende somente da intenção.

Parques temáticos, por exemplo, apostam alto em simuladores que colocam os visitantes em cenários diversos, vide os parques da Disney.

Na medicina, as novidades são constantes: cirurgias à longa distância, roupas que ajudam a medir níveis do corpo humano, cursos nos quais os alunos não precisam de corpos reais para pesquisa e muitas outras.

O mundo corporativo também está bebendo dessa fonte, usando a tecnologia de metaverso para as reuniões, interação entre colaboradores e até mesmo capacitações, tudo feito à longa distância. Inclusive, as ferramentas do metaverso foram essenciais para as grandes empresas operarem durante o home office imposto no período mais severo da pandemia da COVID-19.

Mesmo com toda essa versatilidade, é nos games e nas artes que o metaverso encontra sua maior força e, mais, promete boas alternativas de investimento.

Nos jogos, o metaverso é responsável pela experiência imersiva, mas os itens necessários para os games (armas, ferramentas, vestimentas, acessórios, construções, entre outros) são tokens não-fungíveis (NFTs), cujo valor disparou nos últimos meses

Os NFTs também se destacaram nas artes, especialmente pelo fato de garantirem a autenticidade e a exclusividade de propriedade, o que agrega ainda mais valor às obras.

Isso significa uma verdadeira revolução na relação comercial no mundo artístico, uma vez que não é mais necessário ter um intermediário para a negociação de obras.

A distribuição das peças também é impactada nesse sentido, já que esse material ou conteúdo pode ser distribuído inúmeras vezes, mas a original fica preservada e a sua autenticidade garantida por um smart contract, ainda que para alguns artistas, quanto mais disseminada, melhor, pois a obra se torna conhecida e, consequentemente, mais valorizada.

O que são NFTs?

Os tokens não fungíveis, ou NFTs, e o metaverso têm uma relação simbiótica. Para entender melhor, você precisa saber que "fungível" ou aquilo que se mistura.

Tome como exemplo uma cédula de dinheiro de um determinado valor. Ela pode ser trocada por outra igual, de mesmo valor, certo? Da mesmo forma, 1 bitcoin pode ser trocado por outra unidade de bitcoin, de igual valor.

No que diz respeito aos tokens não fungíveis, essa troca não tem uma correspondência. Ou seja, cada item é único.

É o smart contract garante essa exclusividade, o que assegura que não existe outro igual. Dessa maneira, quando um usuário adquire um NFT de um game, ele passa a ser o único proprietário, valorizando esse token para os outros jogadores.

Isso vale para uma obra artística em NFT, onde o usuário passa a propriedade da produção original.

As NFTs são meios que garantem a autenticidade das compras e transações no metaverso.

Um segmento bastante promissor no metaverso é o imobiliário. A comercialização de terrenos está se solidificando pois é uma estratégia em crescimento para monetizar empreendimentos também no mundo real. O setor já movimenta mais de US$ 100 milhões por semana.

Para você que ainda não tem familiaridade com esse ambiente, saiba que um terreno no metaverso permite ascensão em jogos, construção de espaços para eventos virtuais, locais para atendimento virtual e muito mais.

Além disso, dependendo do uso desse território, assim como na vida real, o proprietário do espaço pode lucrar. Nesse cenário, os NFTs são peças chave para garantir que os contratos sejam autênticos e válidos.

Como investir no Metaverso?

Há diversas formas de investir no metaverso. Contudo, é necessário ter o mínimo de conhecimento nas tecnologias já apresentadas e no mercado cripto.

  • Criptomoedas – uma das maneiras mais populares de aderir a um metaverso. Decentreland (MANA), The Sandbox (SAND) e Enjin Coin (ENJ) são algumas das mais utilizadas para isso. Normalmente, o usuário que já tem algum conhecimento em investimentos em cripto recorre a uma exchanges para realizar a transação;
  • Fundos de investimentos – uma outra opção para entrada no ambiente virtual é através da aplicação em fundos de investimento relacionados ao metaverso. Em dezembro de 2021, por exemplo, a gestora brasileira Vitreo lançou o “Vitreo Metaverso”, investimento em ações ligadas somente ao setor;
  • Terrenos virtuais – caso queira, você também pode investir em territórios virtuais no metaverso em plataformas especializadas, permitindo comercializá-las como quiser. Em novembro, um terreno virtual de 566 metros quadrados de um game do metaverso foi vendido por US$ 2,4 milhões em criptomoedas;

Assim como na vida real, o lance com os terrenos virtuais é que eles valorizam de acordo com o seu investimento neles. Dependendo da área construída e o tipo de estrutura disponível, você pode capitalizá-lo com vendas e locações.

  • Tokens do metaverso – roupas, acessórios, veículos, itens de colecionador, obras de arte, entre outros, podem ser tokenizados;
  • Investimento em ações de empresas que apostam em soluções e funcionalidades do metaverso, tais como as do Facebook/Meta.

Quais são as criptomoedas impulsionadas pelo Metaverso?

Existem algumas criptomoedas cujo uso está bastante associado ao metaverso. Algumas delas são:

Decentraland (MANA)

Em um ambiente virtual dentro da blockchain do Ethereum (ETH), a MANA atua como uma criptomoeda nativa. O projeto parece ter sido bem aceito pelo mercado, tanto que diversas marcas já se mostram interessadas em criar esse tipo de negócios digitais. É considerado um dos principais representantes do metaverso.

Enjin Coin (ENJ)

Nessa plataforma é possível criar produtos na blockchain e NFTs  sem taxas. O ENJ é o token principal. Em 2021, o projeto recebeu US$ 100 milhões para apoio a ações dentro do metaverso.

The SandBox (SAND)

É um ambiente em que os usuários jogam, constroem casas e têm uma vida virtual. Em um primeiro momento, aproveitou a febre do Minecraft, mas evoluiu e se estruturou no universo da blockchain e das criptomoedas.

Diversas empresas como a Binance, a principal exchange cripto do mundo, já têm espaços disponíveis para os usuários em plataformas como a The SandBox

Gala (GALA)

Suporta toda uma cadeia de jogos play-to-earn (jogue para ganhar) para blockchains. O GALA é o token nativo. O primeiro título lançado pela plataforma foi o Town Star, um simulador de um ambiente rural. Outros games são Echoes of Empire, Mirandus, Spider Tanks e Fortified.

Axie Infinity (AXS)

O Pokemon Go, você conhece né?! Então. Ele ajudou a popularizar o conceito de play-to-earn, onde os players criam personagens e batalham com monstros ou outros jogadores. O AXS é o token de governança desse tipo de game e dá aos detentores poderes de decisão dentro de todo o ecossistema de interação.

A Onyx foi a primeira plataforma baseada em blockchain para a troca de valor, informações e ativos digitais.

Empresas que apostam no Metaverso

Não foi só o Facebook que entrou de cabeça nessa onda. Empresas de diversos segmentos estão apostando na potencialidade do metaverso.

A Nvidia, por exemplo, anunciou o NVIDIA Omniverse, plataforma colaborativa de simulação. Nela, profissionais das artes em geral podem trabalhar juntos na construção de metaversos.

No início de 2021, a Microsoft colocou o Mesh no mercado, uma plataforma que permite a realização de reuniões com hologramas, além de avatares 3D para o Teams, ferramenta de comunicação da empresa.

A gigante dos esportes Nike anunciou a Nikeland, uma plataforma dentro do Roblox, e a aquisição de uma startup especializada em NFTs de moda.

Instituições brasileiras também estão entrando no metaverso. O Banco do Brasil, por exemplo, lançou, no final de 2021, uma experiência virtual no servidor do GTA (Grand Theft Auto). No jogo, o usuário pode abrir uma conta na instituição bancária para um personagem ou até mesmo trabalhar em uma das agências.

Futuro da internet

Especialistas acreditam que o metaverso é uma peça fundamental da web 3.0, que é caracterizada como uma internet mais imersiva, descentralizada e aberta.

Atualmente, o mundo está na web 2.0, que tem como principal característica ser um ambiente de interação mediado por mídias sociais.

A web 1.0, que teve seu “boom” entre 1999 e 2004, é considerada a “pedra fundamental” da tecnologia, e é lembrada pelas páginas estáticas. Por meio dela, as pessoas puderam ter um contato mais próximo com o ambiente online.

Críticas ao Metaverso

Mesmo com toda a popularidade, parece que nem tudo são flores nesse universo em ascensão. Alguns estudiosos colocam em cheque certos conceitos relacionados ao metaverso, como a centralização, privacidade e o vício.

  • Centralização – os conceitos gerais e regras do metaverso ainda estão em construção, mas uma coisa é certa: os entusiastas defendem que ele seja descentralizado e aberto a todos. Entretanto, a coisa não é bem assim. Com a adesão de empresas como Facebook e Microsoft na jogada, a tendência é que certos controles sejam criados.
  • Privacidade – devido a uma possibilidade de centralização do metaverso, a questão da privacidade aparece nas discussões. Se empresas como Facebook e Google que administram uma infinidade de dados de usuários estão nessa mesa de investimentos, as diretrizes terão que desenvolver mecanismos de segurança dessas informações. Inclusive, essa é uma grande preocupação, especialmente para o Facebook que já vem amargando o pagamento de multas milionárias nos últimos anos em questões relacionadas à privacidade.
  • Vício – Outro ponto que tem gerado críticas é o fato de o metaverso ser um tipo de tecnologia que vicia ao passo que as pessoas se desconectam da realidade.

O fato é que você sendo profundo conhecedor de tecnologia ou não, você já faz parte do metaverso, de forma consciente ou não. Contudo, é interessante saber como os processos funcionam para ter a liberdade de escolher as melhores práticas dentro desses espaços.


CapBlog (Page 1)

O Conteúdo deste Blog está disponível para fins meramente informativos e educacionais. Os artigos postados não constituem e não devem ser encarados, em nenhuma hipótese, como qualquer aconselhamento ou recomendação de investimento, tampouco como garantia de resultados ou rentabilidades em investimentos de qualquer natureza.



Tags

Joanna Medeiros

Jornalista, produtora de conteúdo digital, MBA em Marketing e Comunicação. Acompanhando o mercado financeiro mudar através dos "olhos" da Capitual.