No mês passado, os dados do site de análise Useful Tulips indicaram que mais Bitcoins mudaram de mãos em trocas locais (P2P) na Índia do que nunca.

As negociações locais de Bitcoin das duas principais corretoras P2P na Índia somaram o total combinado de cerca de US $ 2,7 milhões, chegando perto de atingir a máxima histórica de US $ 2,9 milhões em dezembro de 2017. Já o crescimento do volume de BTC nas trocas de P2P em maio foi o maior da história e demonstra uma clara tendência ascendente.

Até o início de março deste ano, a Índia proibia os bancos de fazer negócios com empresas de criptomoedas. A Suprema Corte do país anulou a proibição depois de julgá-la inconstitucional, poucas semanas antes do coronavírus se disseminar pelo mundo e o gerar diversos bloqueios nacionais.

Durante esse período, o Bitcoin - que estava sendo negociado acima da marca de US $ 10 mil no mês anterior - perdeu mais da metade de seu valor em apenas algumas semanas e caiu na faixa de US $ 4.000. Isso poderia explicar a queda nas negociações de Bitcoin na época. O volume caiu para uma baixa anual de cerca de US $ 1,5 milhão no final de março na Índia, que se alinha às tendências mundiais.

Além das mudanças na maneira como as leis locais tratam as empresas de criptomoedas, o estado atual da economia da Índia pode também estar relacionado com o crescimento do comércio de BTC na região. A moeda nacional da Índia, a rupia, atualmente sofre com uma taxa de inflação anual de 9,66%, o que é consideravelmente maior que a taxa de inflação média anual da rupia, de cerca de 4,72%. Em comparação, a taxa de inflação do dólar é de 2,31%.