Essa semana o empresário da Tesla, Elon Musk, foi o responsável por uma das maiores quedas no preço do Bitcoin da história. O ativo, que durante a semana estava perto dos 60 mil dólares, chegou a bater 45 mil durante o pico do pânico.

Interessantemente, momentos antes do tweet e da grande queda que o seguiu, 19.259 Bitcoins foram movidos para dentro de exchanges. Algo que dificilmente seria uma coincidência. Muito provavelmente foi alguém com informações privilegiadas.

Logo após o tweet de Elon  sobre o uso de energia não renovável do Bitcoin, iniciou uma cascata de liquidações de investidores alavancados, totalizando US $ 208 milhões liquidados em um período de 10 minutos. Essa cascata de liquidações é a razão pela qual o preço baixo para US $ 46.000 foi tão agressivo.

Depois que aumentaram os fluxos de depósitos de Bitcoin em corretoras antes do tweet, podemos ver um grande fluxos de retiradas de Bitcoins. Esses dados fortalecem a ideia de que um ou mais players possuíam informações privilegiadas e a utilizaram para aumentar drasticamente suas posições em Bitcoin.

Ainda falando em retiradas, uma dos maiores níveis de saídas de exchanges desde o inicio deste ano ocorreu em meio ao pânico. Os fluxos de saída de OTC, usadas por players que negociam grandes valores, também aumentaram durante a queda. Muito provavelmente grandes players e investidores institucionais se aproveitaram da oportunidade para aumentar suas posições.

Aproximadamente $ 460.000.000 de Tether foram impressos após a queda. No gráfico abaixo vemos o volume de transferência líquido, mais de $ 650.000.000 de Tether foram transferidos para as corretoras na quinta-feira. Isso nem sempre significa compras instantâneas, mas sinaliza que o capital está nas exchanges esperando para ser usado.

Tentando olhar pelo lado bom de tudo isso que aconteceu enxergamos que traders alavancados estão sendo liquidados. Cerca de US $ 1,8 bilhão de contratos em aberto de futuros foram liquidados. Isso é sempre saudável para o mercado, já que o preço passa a ser influenciado por compra à vista orgânica e não por investidores especuladores.

Os mineradores não parecem ter sido afetados pela queda nos preços de curto prazo e continuam a acumular, pois acreditam que o preço do Bitcoin não está no topo. Esta métrica segue positiva há mais de um mês.

Carteiras que tem histórico de serem investidores de longo prazo e costumeiramente vendem na máxima, também continuaram acumulando de forma constante ao longo desta consolidação por mais de um mês e não se afetaram com o pânico dessa semana.

Para concluir, o acontecimento de quarta-feira foi péssimo para o preço do Bitcoin no curto prazo  e sem dúvida um choque para o mercado, mas não altera em nada os fundamentos de longo prazo da moeda. A proteção contra a inflação, a alta liquidez e a versatilidade do ativo se mantem como ótimas razões para continuar acumulando e segurando com mãos firmes.