As autoridades alemãs fecharam o que dizem ser o "maior mercado digital ilegal do mundo". As autoridades desligaram os servidores do DarkMarket na segunda-feira.

DarkMarket em números

  • quase 500.000 usuários;
  • mais de 2 400 vendedores;
  • mais de 320.000 transações;
  • mais de 4 650 bitcoin e 12 800 monero transferidos.

O mercado se dizia ser liderado por mulheres, prova de que as mulheres eram mais do que capazes de facilitar cartéis de drogas, sindicatos de falsificação de passaportes e pequenos fraudadores de cartão de crédito. Contudo, apenas um homem australiano de 34 anos foi preso sob suspeita de dirigir o DarkMarket.

"Os investigadores esperam usar os dados salvos lá para lançar novas investigações contra moderadores, vendedores e compradores do mercado", disseram os promotores, informou a AFP.

O Ministério Público alemão de Koblenz para crimes cibernéticos conduziu a investigação, que também envolveu a Europol, a Agência Nacional do Crime do Reino Unido e a DEA, FBI e IRS.