O COVID-19 tornou-se um momento marcante no curso de nossa sociedade, seu impacto pode ser visto através de seus efeitos na economia e na sociedade em geral. Da perspectiva de um investidor Bitcoin, há muitas coisas a serem consideradas, especialmente agora que a Europa se encaminha para um novo período de restrições.

Paisagem de Trabalho

Durante a primeira onda, os padrões emergentes do coronavírus determinaram como a infecção se espalhou. O impacto na sociedade de consumo foi tremendo. O efeito tem sido visto principalmente como o fechamento de locais de trabalho, resultando em pessoas que trabalham em casa, são demitidas ou, em alguns casos, recebem licença.

As taxas de desemprego bateram recordes nos países ocidentais. O caminho para a recuperação econômica ainda é desconhecido. A situação atual parece indicar que as empresas precisam de novos tipos de arrecadação de fundos para se recuperar totalmente ou se reestruturar.

Demografia dos Ativos

A defasagem entre os casos de infecção e os óbitos fica em torno de duas a três semanas: Isso significa que sempre que a epidemia reaparece, segundo os dados obtidos na primeira onda, isso acontece de forma previsível, em grupos de risco e regionalmente.

Isso é significativo porque as estatísticas indicam que a maioria das vítimas do coronavírus provavelmente não terá uma riqueza significativa em ativos tradicionais ou baseados em blockchain.

Portanto, o impacto do coronavírus nos mercados de ativos baseados em criptomoedas e blockchain pode ser insignificante, enquanto nos mercados tradicionais, o surto provavelmente desbloqueará os ativos normalmente mantidos pelas vítimas. Entre os membros idosos da classe trabalhadora, a maior parte da riqueza está em imóveis residenciais e fundos de pensão. Os mercados tradicionais devem sofrer novamente, embora não na mesma magnitude da primeira onda. No entanto, ativos criptográficos, devido a fatores demográficos, podem não ser tão impactados.