A Financial Crimes Enforcement Network (FinCEN) emitiu recentemente uma propostas que "exigiria que bancos e empresas de serviços financeiros apresentassem relatórios e mantivessem registros da identidade dos clientes" que fazem transações criptográficas em carteiras não hospedadas (isto é: privadas).

As novas regras, que foram publicadas para que o público opine até 4 de janeiro de 2021, propõem que qualquer "moeda virtual conversível" e "ativos digitais legais" sejam classificados como "instrumentos monetários" e, portanto, estão sujeitos aos requisitos da Lei de Sigilo Bancário.

De acordo com essas regras, qualquer transação totalizando mais de $ 10.000 em um período de 24 horas deve ser relatada ao FinCEN, um escritório do Departamento do Tesouro dos EUA, e a identidade do cliente deve ser verificada; muitas transações exigiriam um limite inferior a US $ 3.000.

Portanto, as regras do Conheça Seu Cliente (KYC) se aplicacarão até mesmo a carteiras criptográficas privadas. De acordo com a FinCEN, esta "expansão direcionada das obrigações de relatórios e manutenção de registros da Lei do Sigilo Bancário" foi projetada para impedir o financiamento ilícito envolvendo criptomoedas.