Existem muitas possibilidades que podem ocorrer devido à rápida disseminação do novo vírus (covid-19) que afetou os mercados financeiros em todo o mundo; afinal, a economia é como uma célula, qualquer pequena mudança afeta completamente sua estrutura. Portanto, hoje vamos falar apenas dos elementos mais capazes de causar os maiores impactos e tentar dar uma visão holística dos medos que cercam o mercado financeiro.

Taxa de mortalidade e de contagio

Como podemos ver, a taxa de mortalidade é consideravelmente baixa e muito semelhante a outras gripes. No entanto, uma pesquisa da Universidade de Nankai mostra que o vírus sofreu mutação em genes semelhantes aos encontrados no HIV e no Ebola. De acordo com o estudo "Comparado ao modo de entrada dos Sars, o método de aderência é de "100 a 1.000 vezes" mais eficiente". Isso significa que a gripe é muito mais contagiosa do que a maioria das outras gripes conhecidas anteriormente, e na era da globalização isso se torna extremamente perigoso de se lidar.

Efeito cascata

É fato que nos últimos anos o mundo se tornou muito mais conectado e global. Embora os efeitos diretos do vírus possam não ser alarmantes, um especialista em cisnes negros, Nassim Taleb, aponta como o efeito em cascata pode mudar todo o cenário. Segundo ele, mesmo que uma baixa porcentagem de casos se torne grave, seria suficiente para afetar países que têm um papel importante na economia global, o que nos leva ao próximo ponto: produção industrial.

Produção industrial

Após a primeira parte do acordo comercial entre EUA e China, os analistas previam um crescimento econômico mundial estável. No entanto, desde que o vírus causou a parada completa em muitas fábricas e até em cidades inteiras. Um grande número de empresas em todo o mundo não conseguiu manter suas taxas de produção. É o caso da Apple, que afirmou que haveria algum impacto na produção de iPhones. Os números vieram muito mais severamente do que as expectativas. O PMI da China, que deveria ter cerca de 50, chegou a 35,7 em fevereiro.

PMI da China em fevereiro.

Fechando fronteiras

Para manter uma economia da saúde, o mundo deve seguir um caminho em que haja liberdade de capital e de pessoas. Reuniões de negócios, turismo, estudos no exterior são fatores importantes quando se trata da economia global. Se os países começarem a fechar suas fronteiras para mitigar a propagação do vírus, aqueles que são mais dependentes desse setor poderão entrar rapidamente em uma crise. (por exemplo, Itália) Os EUA já impuseram muitas restrições de viagem e fecharam parcialmente sua fronteira com o México.

Dívidas altas e baixas taxas de juros

Quando ocorre uma recessão, os bancos centrais normalmente mitigam o impacto com estímulos econômicos que injetam dinheiro, diminuem as taxas de juros, facilitam o crédito a empresas e indivíduos ou financiam projetos de infraestrutura que geram empregos. No entanto, desta vez pode ser mais difícil, porque muitos países atingiram o limite de estímulo. No caso da Itália, sua dívida já ultrapassa 133% do PIB e as taxas de juros já são baixas, cerca de 1,3%, o que deixa muito poucas opções para gerenciar a situação, considerando que uma redução maior pode resultar em uma fuga de capital.

Números atualizados em 1º de março:

  • 88.583 casos confirmados em todo o mundo
  • 3.043 fatalidades
  • 7.354 em estado grave / crítico
  • 45.054 recuperados
  • 64 países notificando casos

Conclusão

Como Nassim Taleb colocou "o sistema será sobrecarregado, portanto, resultará em 0000000 mais vítimas de condições não relacionadas". É muito cedo para julgar o resultado do vírus, mas já está claro que isso foi longe demais. O pânico dos investidores não está acontecendo sem motivo, as preocupações são bem fundamentadas. No momento, a melhor coisa a fazer é se manter informado e evitar riscos desnecessários.