A atividade criminosa relacionada com transações de criptomoedas reduziu significativamente em 2020, caindo cerca de 83%.

De acordo com dados da Chainalysis, o valor total das criptomoedas enviadas e recebidas em 2019 foi de US $ 2,1 bilhões. No ano passado, o valor caiu para US $ 10 bilhões, o que representa 0,34% do volume de transações criptográficas. Grande parte desse avanço deu-se graças ao poder de rastreabilidade dos órgãos governamentais frente às transações, culminando na redução do uso de ativos em atividades ilegais.

A empresa de análise Chainalysis afirma que "outra razão pela qual a porcentagem da atividade criminosa caiu é porque a atividade econômica geral quase triplicou entre 2019 e 2020".

Ransomware

O ataque de ransomware, um tipo de sequestro digital, acontece quando o criminoso faz as vítimas pagarem resgate por seus dispositivos ou dados. Este tipo de crime aumentou cerca de 300% em 2020, mas permanece com apenas 7% de do total recebido em endereços ligados a atividades criminosas.

"Eles são o tipo de crime mais destrutivo relacionado às criptomoedas, devido ao seu impacto econômico e à capacidade de interromper setores e serviços essenciais."

Sem dúvida, o mercado de criptomoedas atrai criminosos pelos mesmos motivos que atrai o grande público, seu caráter discreto, onde impera o sigilo bancário, e seu suporte para transações anônimas, além da alta liquidez das moedas que facilitam seu envio para qualquer lugar do mundo sem restrições tornam esta classe de ativos extremamente valiosa. Ainda assim, conforme o mercado conquista público, a parcela da atividade criminosa continua diminuindo e se tornando cada vez mais insignificante quando se olha o quadro geral.